Skin That I Feel

A Série “A Pele que Sinto” é uma ruptura com um modelo hegemônico de um padrão de pele, onde há a transfiguração de um limite estético para uma liberdade de criar territórios em si que rompam com a pele limitadora, a pele que sinto é o que vem de dentro. Rasgar os limites de si para remendar-se novamente. Se a pele que sinto é um limite, devo criar mecanismos de saída de mim para externar o que está dentro de minha pele.

The series “The Skin That I Feel” is a rupture as a hegemonic model of a skin pattern, where there is a transfiguration of an aesthetic limit for a freedom to create territories in themselves that break with the limiting skin, the skin I feel is what comes from the inside. Tear the limits of yourself to mend again. If the skin I feel is a boundary, I must create mechanisms to exit myself to externalize what is inside my skin.