Gravity

A série “Gravity”, parte de um momento da série “Connection”, onde todos os esboços foram feitos com os olhos do inconsciente. Não me permiti olhar para as telas, todas foram criadas de olhos fechados, tendo em vista apenas duas coisas: a força da gravidade me puxando para a terra e a força do crer, do imaginário, me puxando para o céu, para cima.
Newton falou da gravidade como uma constante queda livre, Einstein postulou que a gravidade é tão poderosa que impõe curvas até para a luz… Queda e curvas de luz são as principais matérias dessas novas obras.
Gravity é uma serie totalmente vinda da minha visão de mundo pelo inconsciente, da minha percepção do sentir. As linhas que vêm e vão sobre a pessoa figurada são como os nossos sentimentos, em constante mudança durante todo o dia, durante toda a vida.
Subindo e descendo, em constante movimento, imaginando, criando ou se enraizando, encaixando, fazendo parte.

É uma das quatro forças fundamentais da natureza
É a atração mutua
Todas as partículas de matéria que se atraem entre si
É o mover continuo
É o espaço e o tempo
É como estar em uma constante queda livre
É o real e o imaginário
É o tangível e o intangível
É o calor do encontro entre os corpos
O ritmo dos batimentos dentro do peito
A dualidade de sentimentos
É a nossa interpretação do mundo e da realidade
É o movimento
É o tocar e o sentir
São as veias percorrendo toda nossa pele
É o ver e o crer
É Deus, em todas as suas formas
São os sentimentos aflorados, os enraizamentos e a liberdade do plano imaginário.

É a Gravidade.